Sem blogar há 2 anos e meio…

cansaço!
Não consegui blogar, escrever, nem nada do tipo, estava realmente estagnada.
Tem esse tratamento angustiado, esses remédios, a ansiedade e angústia em determinadas horas do dia.
Nem digitar eu consigo o que é uma lástima; Mas do que cansada estou. dessa doença infeliz e ingrata.

Depois de alguns anos, tentarei blogar….

Infelizmente nesses anos de ausência, muita coisa aconteceu…. Se por um lado tenho novidades interessantes por outro tenho cicatrizes enormes em mim, das quais eu mesmo procurei…. Reconhecer falhas talvez seja uma das tarefas mais díficeis na vida, embora sejam realmente necessárias…
Reconheço que dei pouco valor a pessoas que mereciam e até hoje merecem todo o meu respeito e gratidão, reconheço que só estou aqui, graças a essas pessoas, mas estou tentando compensá-las da maneira que posso… Sendo mais leal, mais amiga, mais gentil…
Por outro lado, a vida me colocou outras pessoas a quem tenho tentado ser melhor, tarefa árdua para alguém como eu.
 Com tudo isso aprendi algumas coisas.
o-arrependimento
Tipo: Talvez possamos um dia nos arrepender do que fizemos…

Mas o arrependimento é sinal de que não tivemos medo de tentar…
E daí se as coisas não deram certo como deveriam…?
E daí se não era bem o que queríamos?
E nossa vida segue… para tentarmos e errarmos muitas vezes…
Isso é viver e aprender.

Meu atual conselho seria…. Apesar de como minha avó diz, se conselho fosse bom, não se dava, vendia….
Procure os seus caminhos,
mas não magoe ninguém nessa procura.
Arrependa-se, volte atrás, peça perdão!
Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado,
comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!

Auto conhecimento

Me percebo um ser emocional, mais do que gostaria de fato, mas a vida segue num curso muito acelerado e acho que estou me sentindo debilitada demais pra alcançar esse ritmo.
Em minhas observações notei algo significativo… Eu posso tentar ser eu sem que esteja presa a ninguém, embora tenha plena consciência de que não e fácil ser eu….

Imagem

Identifiquei 4 sentimentos em mim que nunca tiveram tanta importância, pelo menos nunca avaliei como agora…

Ira – é aquele sentimento que temos quando entramos em “perigo”. A Ira é um contraponto de nossas emoções a injustiça, humilhação e dignidade, sempre que a nossa autoestima estiver ameaçada.

 
Medo – é sempre acionado sempre que estamos em perigo, seja ele de qualquer natureza. Nosso centro nervoso dispara uma série de hormônios que nos dão a vontade de correr, fugir. O Medo é a maior defesa emocional e que pode nos impedir de realizar coisas simples ou de expor em situações naturais. Superar o medo é um desafio, mas primeiro é importante identificá-lo.
 
Tristeza – este sentimento nos foca nas perdas. Sempre que perdemos algo ou deixamos de conquistar algo que estávamos certo bate a famosa tristeza. É importante que vivenciemos a “dor” de cada perda individualmente, mas não podemos focar nossos sentimentos exclusivamente nisso. Precisamos reagir à tristeza contemplando outras coisas que estão a nossa volta.

Depressão – este é um estado emocional na qual a ausência de sentimentos toma conta de nosso ser. Parece que não temos nada dentro da gente. A nossa rotina fica sem sentido. As características mais comuns na depressão são a falta de memória, a perda do sono, a dificuldade de relacionar-se, apatia…

Alegria ou felicidade, ou quem sabe contentamento… são utopias interessantes ao meu ver… Continuarei analisando para chegar no x da questão relacionados  a minha essência… Leia Mais…

%d blogueiros gostam disto: